Home - Manuela Berbert
15339
home,paged,page-template,page-template-blog-large-image-whole-post,page-template-blog-large-image-whole-post-php,page,page-id-15339,paged-13,page-paged-13,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-2.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.7.4,vc_responsive


04 out Outrar é da alma

image

A vida, por si só, é uma piadinha pronta, mas o tom está dignamente em nossas mãos. Fazer sentido demais, ser demasiadamente sensato, está fora dos meus planos há algum tempo. A maturidade, felizmente, é aquela dosezinha de coragem e energia vital que nos aproxima cada vez mais de nós mesmos. Sem arroubos, sem pressa, sem satisfação alguma para outrem, inclusive. Aprendendo a silenciar mais e satisfazer menos. De frente pro espelho e com olhos nos próprios olhos tudo faz mais sentido. Sobre ontem, hoje e sempre: de tanto acreditar que as melhores coisas e a melhor fase da minha vida ainda estavam por vir, eis que chegaram. E o melhor de tudo, é que ninguém precisa saber de tudo…

22 set Distâncias

image

As distâncias estão nos olhos de quem vê e no coração de quem sente. As diferenças também. E as maiores delas, aqui pra nós, não são físicas. Elas existem para nos fazer repensar, reavaliar, mudar. Voltar atrás de alguma decisão também. Somos sempre soma dos acontecimentos todos, e dos sentimentos que carregamos no peito. E ainda bem que é assim. Se você me conheceu lamentavelmente tristonha por qualquer coisa que tenha ocorrido, desculpa lhe desapontar, mas você não me conhece mais. Permita-me uma dose generosa de honestidade: eu renasço todos os dias, e tenho uma satisfação imensa em não ser a mesma para sempre!

Tags:

20 set Sumidouros da alma

velhochico014

Bom seria se as mazelas do mundo fossem sugadas por um sumidouro como o que levou deste planeta o brilhante artista Domingos. Mas não são. E quando eu penso mazelas, não penso apenas nos problemas práticos da vida, mas em sentimentos que nos destroem quanto seres humanos. A intolerância é um deles. A falta de respeito, também. As redes sociais deram voz a um povo, e muita gente não está sabendo o que fazer com ela. Bom seria se as piadinhas escritas à artista Camila Pitanga fossem sugadas por um sumidouro, mas não são. Elas ficam aí, impressas nas telas dos computadores e dos celulares de muita gente, e na alma da mesma. E se fosse você? E se fosse a sua mãe, a sua irmã, alguma mulher que você amasse de verdade? Para as feridas da carne, os medicamentos. Para as feridas do nosso consciente, o amor. Só amor salva a gente dos sumidouros internos e externos de um mundo louco e sem valores ao qual estamos sujeitos. E muita gente esquece disso. Ou finge esquecer. Como se fosse salvo da justiça divina, apenas boiando num rio qualquer, sem perceber que no fundo dele há um sumidouro que pode puxar-lhe também. Quanta insanidade, de tantos humanos, achar que vai sair destilando venenos cruéis sobre os outros, e simplesmente colher frutos bons adiante. Não seria muito injusto?! Peço a Deus todos os dias que me livre do olhar e do campo de visão daqueles que não conseguem enxergar além das aparências, das piadas prontas e da ignorância. E do mundo cruel que diminui as dores alheias, como se assim fossem sanar as suas… P.S.: SE COLOCAR NO LUGAR DO OUTRO NÃO CUSTA NADA!!!

 

wordpress theme powered by jazzsurf.com